segunda-feira, setembro 22, 2008

James

By: Mark Tonra


E finalmente chegou o Outono
as memórias de infância
a chuva
o vento
as longas filas de trânsito
novamente a chuva
o pai e a mãe
e novamente a chuva
e a buzina dos outros carros
as gotas de água no vidro
o cheiro intenso da terra
do resto do lanche
da banana não comida
ao lado a mochila
o lápis e a borracha
as tintas de guache
a bata meia suja
os trabalhos para casa
o pai e a mãe na frente
e tu estavas ali ao meu lado



Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

5 comentários:

Anónimo disse...

reminiscências...

viajei...




4c-A

Anónimo disse...

HEY!!! E as galochas?
As galochas de borracha quase até ao joelho, pa chapinhar nas poças de água da chuva. E molhar os outros meninos, e empurrá-los pa dentro das ditas cujas.
E chegar a casa e ir directo pá banheira porque a coisa fica mesmo mesmo preta.

EU

Anónimo disse...

sentimentos outonais

Anónimo disse...

Confeça lá que ja tavas com soudades de tua prima, vá lá confeça...
Sobre eça espécie lindiçema de poema ai em sima,so tenho uma dúveda:
nesses tempes remotos em que andavas de bata meio suja(tristessa) ja avia filas de transsito?
é que naquela estrada a camin do colége das meres so me lembra ve 2 ou 3 sincas, 4 ou cinco renaus 4 e alguns citroens diana, mas filas nan.
bejos de maria clarinda

Sandra disse...

Deixo-te, não em forma de poema, a minha visão de uma ínfima parte da nossa maravilhosa infância:
-Quero a minha mãe! Quero a minha mãe!! Q-U-E-R-O-A-M-I-N-H-A-M-A-M-Ã!!!- chorava ela inconsolável... -O lenço deixo de ter a mamã!
E eu ao teu lado estava...
-Não chora Bebé! Não chora! A Xandim 'tá aqui!
E eu ao teu lado estava...
-Anda cá Bebé! O tio fez-te uma rede para apanhares borboletas! (ela sempre gostou de borboletas! Quem sabe não a levariam para junto da mamã!)
As lágrimas, por pouco tempo, paravam de brotar (curiosidade momentânea)!
E eu ao teu lado estava...
-Apanhei! Apanhei uma! Vê, Xandim, vê!!!
A felicidade durava pouco!
E eu ao teu lado estava...
...
-É o papá!! É o carro do papá!!-dizia Xandim.
-Oh, não...Não foi!-tristemente, dizia a a caracolinhos de ouro, baixando os olhos para se concentrar no carreirinho de formigas, que por baixo da soleira da porta passava; onde as duas sentadas estavam, à espera daquele carro que de esperança azul se vestia.
Até que ELE APARECIA!!! E a alegria... e a vontade de chorar... e a ansiedade de nele entrar... e de partir?!?
E nós lado a lado...
OU...
A alegria do autocarro que chegava, trazendo o sorriso que te iluminava?? Aparecia como uma miragem, aproximava-se lentamente e os nossos corações o TEU CORAÇÃOZITO aos saltos pulava-lhe ao pescoço:
-Mamã!!Mamã!!!
E eu ao teu lado estava...
...
As noites de folia; os telefonemas que fazíamos...os trambolhões no sofá, os sustos que te dava, seguidos de gargalhadas choradas!!
As férias nas Seven Cities;o acampamento no jardim da casa! Que adultas que nós eramos!!
E a lanterna... e aquele rosto... e a história de terror dos "Gémeos da Lagoa"...
Lado a lado nós estávamos...
E aqueles peixes que salvámos de serem fritos?!? Bendito Garfo Partido!
E aquela pobre ave?!? Morreu, é verdade! Não pudemos evitar! Mas nós conseguimos vencer e convencer os nossos amados "primary caregivers" que galo não era galinha, se não era galinha não podíamos comê-lo e... "-ELE OLHOU PARA NÓS PAPÁ, NÃO OLHOU Bebé?!?"
É certo e sabido que Mamã e Papá, provaram mais uma vez serem seres de tão boa índole: ofereceram a pobre ave pronta a ser confeccionada!!
E nós lado a lado estávamos...
Tanto mais teria para aqui te deixar...
As recordações atropelam-se, empurram-se...
Ao teu lado; lado a lado para sempre!
Xandim